31 de jan de 2007

Nada de Novo Denovo


Pedro Rodrigues

O que há de novo?
Pergunta capisciosa... Ou não é?
"Os Estados Unidos invadiram o Iraque". Denovo? Sim, mas essa é velha, nos tempos de jornalismo ao vivo, ontem já é história.
A sabedoria popular diz na bela canção; "É você que ama o passado e que não vê, que o novo sempre vem." Denovo. Que o novo é só o passado de amanhã. Tome por base o pacote de pãezinhos, recém saídos e quentinhos...
"Nasceu meu filho", "Morreu minha sogra". Para um colega de cacheta pode ser novidade anos depois do ocorrido. Mas, para minha esposa, não teria sentido dar a notícia mesmo (ou principalmente) na hora em que estivesse acontecendo; "O bebê vai nascer querida!" "Eu sei, filhadaputa, por que buceta você acha que ele tá passando?!" (cara feia nem sempre é fome...)
De uma perspectiva evolucionista grande novidade é o dedão, mas eu não diria a meu patrão, "Bom dia, tenho um dedão em oposição." Oposição, aliás novidade, agora é a direita. Novamente.
Novidade, para um cristão, é a reencarnação. Mas para um budista não. Para Severino do Espigão é andar de avião, mas não para Santos Dumont. Que, mais dia menos dia, logo encarna denovo, mesmo sem ser budista.
O que há de novo?
Socialmente, o casamento homossexual. Historicamente, o voto feminino. Geograficamente, todo o leste europeu. Geologicamente, a separação de Pangea.
Do ponto de vista do Deus que criou nosso mundo, pode-se pensar "As águas já baixaram denovo".
Do ponto de vista do Deus que criou todo este Universo, poderia dizer "Apaguei uma estrela".
Do ponto de vista do Deus que criou este Deus; "Fiz um Big-Bang, ainda não terminou de crescer..."
Mas estes todos talvez sejam nossos pontos de vista, e é novidade pensar assim. Pelo menos sem ir para a fogueira...
Também não se fazem mais novos como antigamente, e nada mais velho que esta fixação toda pelo novo.

E então, o que há. Denovo?

Um comentário:

b. disse...

isso ai... tudo velharia.